Ancient History Encyclopedia has a new name!

We are now World History Encyclopedia to better reflect the breadth of our non-profit organization's mission. Learn More

Catarina de Aragão

Definição

Mark Cartwright
por , traduzido por Joana Ribeiro
publicado em 14 Abril 2020
X

Texto original em inglês: Catherine of Aragon

Catherine of Aragon (by Unknown Artist, Public Domain)
Catherine of Aragon
by Unknown Artist (Public Domain)

Catarina de Aragão (1485 -1536 EC) foi uma princesa espanhola que se tornou a Rainha de Inglaterra e a primeira esposa de Henrique VIII de Inglaterra (r. 1509-1547). Quando o casamento não produziu um herdeiro masculino, Henrique VIII ficou desesperado para se divorciar de Catarina e encontrar outra esposa. Catarina recusou-se a cooperar com os desejos do rei e o Papa recusou-se a anular o casamento, levando Henrique a dar o passo drástico de separar a Igreja na Inglaterra de Roma. O casamento, talvez o mais fatídico da história inglesa, foi finalmente anulado em 1533 e Catarina foi banida para uma vida de aposentadoria até a sua morte por doença em 1536. O legado de Catarina continuou, no entanto, com a coroação da sua filha com Henrique, Maria I de Inglaterra em 1553.

Uma princesa espanhola

Catarina de Aragão nasceu a 15 de dezembro de 1485, a filha mais nova do rei Fernando II de Aragão (r. 1479-1516) e da Rainha Isabela de Castela (l. 1451-1504). O primeiro encontro de Catarina com a monarquia inglesa não foi com Henrique VIII, mas sim com o seu irmão mais velho, o Príncipe Artur (n. 19 de setembro de 1486). Henrique VII de Inglaterra (r. 1485-1509) tinha combinado que o seu filho mais velho, Artur, Príncipe de Gales, se casasse com Catarina logo em 1488, quando Artur tinha apenas 18 meses e Catarina tinha três anos. O acordo oficial entre as duas casas reais foi estabelecido no Tratado de Medina del Campo, de 27 de março de 1489. Foi prometido a Henrique VII um grande dote de Fernando II, e os dois países formaram uma aliança útil contra o seu inimigo comum, a França.

Remover publicidades

Advertisement

A PRINCESA CATARINA ERA UMA BELEZA, BEM EDUCADA E FLUENTE EM VÁRIAS LÍNGUAS.

Artur e Catarina, agora adolescentes, casaram-se a 14 de novembro de 1501 na Catedral de São Paulo, Londres. O jovem casal viveu no Castelo de Ludlow, no País de Gales, mas infelizmente, o casamento não durou muito tempo enquanto Artur morreu de tuberculose no ano seguinte, com apenas 15 anos (2 de abril de 1502). Henrique VII não estava para perder as vantagens políticas de laços familiares duradouros com Espanha e assim, em setembro de 1502, conseguiu que o seu segundo filho mais velho, Henrique (n. 1491), se casasse com Catarina. A autorização especial foi concedida pelo Papa e, quando a última parcela do dote finalmente chegou, o jovem casal casou-se a 11 de junho de 1509 na Igreja dos Franciscanos em Greenwich. Henrique VII tinha morrido em abril desse ano e assim o Príncipe Henrique tornou-se Henrique VIII de Inglaterra a 24 de junho de 1509 e, tal como o seu pai desejava, Catarina a sua rainha

Henry VIII by Joos van Cleve
Henry VIII by Joos van Cleve
by Joos van Cleve (Public Domain)

Henrique, então com 18 anos, era um grande partido na sua juventude, lançando uma figura atlética alta e possuindo um caráter encantador e forte. Catarina, então com 24 anos, também tinha os seus encantos e era considerada uma beleza. Também era muito bem educada e, embora o seu inglês fosse instável, era fluente em francês e latim, além do seu espanhol nativo. O casamento real foi seguido por um esplêndido banquete em Westminster Hall e uma ronda de torneios medievais que duraram uma semana. Henrique escreveu numa carta ao sogro: "A minha mulher e eu estamos em amor bom e perfeito como qualquer duas criaturas podem ser" (citado em Ralph-Lewis, 88).

Remover publicidades

Advertisement

ALIVIAR-SE DA SUA PRIMEIRA ESPOSA, A SUA CHAMADA "GRANDE QUESTÃO", REVELAR-SE-IA MUITO MAIS DIFÍCIL DO QUE HENRIQUE VIII PODERIA IMAGINAR.

Produzir um herdeiro

Como qualquer rei, o principal objetivo de Henrique era produzir um herdeiro masculino. Catarina deu-lhe seis filhos, mas nenhum sobreviveu à infância, exceto uma, uma menina, Maria, nascida em 18 de fevereiro de 1516. Catarina deu à luz uma menina nado-morta em 1510, um filho nasceu em 1511, mas morreu dois meses depois, um segundo filho chegou em 1513, mas morreu poucas horas após o nascimento, e um terceiro filho nasceu em 1514. Depois de Maria, uma filha nasceu morta em 1518. O distintivo pessoal da rainha, uma romã, símbolo tradicional da fertilidade, estava provando ser uma escolha inteiramente inadequada.

Quando Henrique teve um filho ilegítimo, Henry Fitzroy, Duque de Richmond (n. 1519), com uma amante, Elizabeth Blount, o rei começou a culpar a sua rainha por não produzir um herdeiro masculino saudável e legítimo. Não ajudou que seis nascimentos tivessem feito o seu trabalho físico sobre Catarina. A Rainha envelheceu, perdeu a sua figura, e o seu cabelo ficou prematuramente cinzento. Catarina também se virou cada vez mais para a religião, passando o seu tempo em oração e até às vezes vestindo uma camisa de cabelo como um ascético. A piedade, teimosia e coragem da rainha combinar-se-iam para exasperar o marido, mas agora com mais de 40 anos, parecia que as suas hipóteses de ter um filho saudável eram escassas. Henrique começou a procurar uma segunda esposa, mais jovem e mais excitante, mesmo que se aliviasse da sua primeira, a sua chamada "grande questão", revelar-se-ia muito mais difícil do que jamais poderia imaginar.

Remover publicidades

Advertisement

Divórcio: O problema intratável

Por volta de 1526, o olho de Henrique VIII foi apanhado por uma Ana Bolena, irmã mais nova de uma das suas antigas conquistas. Ana, inteligente o suficiente para perceber que estava prestes a tornar-se um peão numa guerra dos tronos, recusou-se a dormir com o rei até se casarem. Para tal, Henrique escreveu uma carta ao Papa Clemente VII (r. 1523-1534) em 1527, sugerindo que a falta de um herdeiro masculino era a punição de Deus por Henrique se casar com a esposa do seu falecido irmão, um ponto apoiado pelo Antigo Testamento. A passagem, muitas vezes referida como a "Proibição de Levítico", diz:

Se um homem deve tomar a esposa do seu irmão, é uma impureza; ele tem descoberto a nudez do seu irmão; não terão filhos.

(Levítico c. 20 v. 21).

Consequentemente, o rei desejou que o Papa anulasse o casamento porque nunca deveria ter sido permitido em primeiro lugar (o divórcio não era permitido na Igreja Católica). Na Inglaterra, Henrique encarregou um homem de atingir o seu objetivo: o Cardeal Arcebispo de York, Thomas Wolsey (l. c. 1473 - 1530), o único ministro do rei e titular do mais alto cargo do país. Wolsey acabaria por desagradar ao rei pela sua falta de sucesso na resolução da "grande questão", mas pouco podia fazer contra um Papa que não precisava de apoio político ou financeiro da Inglaterra. Pelo contrário, o poder estava todo na outra direção, uma vez que se um Papa excomungasse um monarca, em teoria, qualquer monarca rival poderia desafiar o seu direito de governar, talvez levando a uma invasão da Inglaterra por uma potência estrangeira.

Remover publicidades

Advertisement

Henrique também enfrentou o problema de que Catarina era muito mais popular entre os seus súbditos do que Ana Bolena. O rei tinha de ter cuidado ao dar um pretexto para qualquer revolta popular no seu reino. Catarina também tinha poderosos apoiantes na corte, que ambos simpatizavam com a sua causa e estavam relutantes em ver quaisquer divisões criadas na Igreja. Estas são por vezes chamadas de fação aragonesa por historiadores e incluíam o Marquês de Exeter, Lord Darcy, e Lord Hussey. Outro problema foi que, na Inglaterra, as disputas de casamento eram ouvidas nos tribunais da Igreja e se Henrique chamasse tal tribunal seria liderado pelo arcebispo de Cantuária, William Warham, que estava contra um divórcio real

Catherine of Aragon & Henry VIII
Catherine of Aragon & Henry VIII
by Henry Nelson O'Neil (Public Domain)

Talvez inevitavelmente, dado o problema aparentemente traiçoeiro que teve de compreender, Wolsey acabou por ser acusado de traição, mas morreu a caminho do julgamento em 1530. Infelizmente para Wolsey e Henrique, o Papa Clemente VII fez questão de manter um bom favor com o governante mais poderoso da Europa na época, Imperador do Sacro Império Romano-Germânico, Carlos V de Espanha (r. 1519-1556), que era sobrinho de Catarina. Além disso, era pouco provável que Catarina e Artur, sendo tão jovens na época, alguma vez tivessem dormido juntos e, por isso, a "Proibição de Levítico" não se aplicava neste caso. Finalmente, outra passagem da Bíblia, desta vez em Deuteronómio, parecia contradizer Levítico e lia-se:

Quando os irmãos se debruçarem e um deles morrer sem filhos, a esposa do falecido não se casará com outro: mas o seu irmão irá levá-la, e criar sementes para o seu irmão.

(Deuteronómio c. 25 v. 5)

Para encontrar algum tipo de solução, o Papa enviou finalmente o Cardeal Lorenzo Campeggio para Inglaterra para investigar o assunto e presidir a um tribunal especial em junho de 1529. Aqui tanto Catarina, determinada a permanecer rainha, e Henrique, determinado a arranjar uma nova rainha, apresentaram os seus respetivos casos, embora Catarina declarasse formalmente que esta corte não tinha o direito de a ouvir, só o Papa tinha. Apesar dos esforços de Campeggio, nada foi resolvido.

Quando Thomas Cromwell (l. c. 1485-1540) assumiu a "grande questão" de Wolsey, a vontade de Henrique foi empurrada para a sua conclusão lógica: a Inglaterra executaria a sua própria Igreja livre das obrigações de Roma. Henrique estava mantendo a sua interpretação da Bíblia, uma autoridade superior do que mesmo a decisão de um Papa.

A próxima tática de Henrique foi separar permanentemente Catarina da sua filha Maria em 1531 e mudá-la sobre o país para várias residências decrépitas. Mãe e filha nunca mais se veriam. Enquanto isso, Henrique e Ana Bolena viviam juntos (mas ainda não dormiam juntos). Algures em dezembro de 1532, Ana, talvez vendo um bebé como a melhor e única maneira de se livrar da sua rival Catarina, dormiu com o rei e engravidou. Agora, no entanto, toda a questão tinha explodido em um grande desacordo religioso com consequências muito maiores do que quem seria o herdeiro de Henrique.

Anulação do casamento

Thomas Cranmer, um substituto muito mais compatível para Warham como arcebispo da Cantuária e um homem disposto a separar a Igreja Inglesa de Roma, anulou formalmente o primeiro casamento de Henrique em 23 de maio de 1533. Com a aprovação da Lei de Contenção de Recursos pelo Parlamento (redigida por Cromwell), Catarina não recorreu a qualquer recurso. A decisão foi final. A anulação e a aprovação pelo Parlamento do Ato de Sucessão (30 de abril de 1534) significavam que a filha de Catarina, Maria, foi declarada ilegítima. Catarina foi proibida de usar o título de "Rainha de Inglaterra" e teve de usar o de "Princesa Viúva".

Anne Boleyn
Anne Boleyn
by Unknown Artist (Public Domain)

Ana Bolena, muitas vezes conhecida como "Ana dos Mil Dias", casou-se em segredo a 25 de janeiro de 1533, mas teve apenas um breve reinado como rainha do coração do rei. Ana Bolena foi coroada rainha a 1 de junho de 1533 e Henrique teve uma segunda filha com ela, Elizabeth, nascida a 7 de setembro de 1533, mas o rei voltaria a casar, mais quatro vezes. A sua terceira esposa, Jane Seymour, daria ao rei um filho, Eduardo, nascido a 12 de outubro de 1537.

A Reforma

Henrique acabou por ser excomungado pelo Papa pelas suas ações na anulação do seu primeiro casamento, mas o rei inglês estava longe de ter acabado com a reforma de toda a estrutura da Igreja no seu reino. Agora, para substituir o Papa como chefe da Igreja Católica na  Inglaterra, Henrique tornou-se chefe da Igreja  de  Inglaterra. Isto foi alcançado pelo Ato de Supremacia de 28 de novembro de 1534 e significava que Henrique, e todos os monarcas ingleses subsequentes, só tinham uma autoridade superior: o próprio Deus. A cena seguinte neste drama importante aconteceu em 1536, quando Henrique aprovou através do Parlamento um projeto de lei para dissolver todos os mosteiros do seu reino. Muitos súbditos estavam interessados em ver a reforma na Igreja e assim continuar o movimento de reforma protestante que estava a varrer toda a Europa. Muitos consideravam a Igreja demasiado rica e cheia de padres que abusavam da sua posição.

Certamente nem todos, no entanto, estavam de acordo com a rutura de Henrique com o Papa. Consequentemente, houve execuções e revoltas. O principal obstáculo na corte foi Sir Thomas More (1478-1535), antigo chanceler de Henrique que discordou do divórcio com Catarina e a presunção de Henrique de se colocar acima do Papa. More foi executado pelas suas crenças em julho de 1535. Uma grande revolta foi a chamada Peregrinação da Graça em 1536 no norte da Inglaterra. No entanto, o rei não ia tolerar oposição, e 178 dos manifestantes foram executados em junho de 1537. Outro passo para a independência foi a aprovação do rei para uma tradução da Bíblia em inglês em 1539. Henrique não estava firmemente determinado na reforma da doutrina da Igreja, ele manteve-se comprometido com as práticas católicas tradicionais, como a missa, a confissão e o celibato clerical, mas o caminho para a reforma religiosa e a independência estava agora definido para os seus sucessores prosseguirem.

Tomb of Catherine of Aragon
Tomb of Catherine of Aragon
by T. Taylor (Public Domain)

Vida Posterior

Catarina, entretanto, estava confinada à sua residência em Buckden, em Cambridgeshire, a partir de 1533 e Kimbolton após 1534. Em 1536 e com a saúde fraca, a antiga rainha escreveu uma última carta ao Rei Henrique, que não via há cinco anos:

Meu mais querido senhor, rei e marido: a hora da minha morte aproxima-se, o afeto que lhe devo... elogiar-me a si e colocá-lo em lembrança... da saúde e da salvaguarda da sua alma, que deve preferir a todos os assuntos mundanos... para o qual me lançou em muitas calamidades e em si mesmo em muitos problemas. Pela minha parte, perdoo-vos tudo e desejo devotamente rezar a Deus para que ele também vos perdoe. Para o resto, recomendo-vos a nossa filha Maria, implorando-vos que seja um bom pai para ela... Por último, faço este voto, que os meus olhos te desejam acima de tudo. Adeus. Catarina, Rainha de Inglaterra.

(Ralph Lewis, 96)

O uso do seu título original para fechar a carta foi um último desafio para com o ex-marido. Catarina, enfraquecendo por não comer e esmagada com cancro, morreu aos 50 anos a 9 de janeiro de 1536. A antiga rainha foi enterrada na Catedral de Peterborough. A filha de Catarina, Maria, tornou-se rainha por direito próprio, coroada Maria I de Inglaterra em 1553. Maria reinaria até 1558 quando foi sucedida pela sua meia-irmã Elizabeth I de Inglaterra (r. 1558-1603).

Remover publicidades

Publicidade

Sobre o Tradutor

Joana Ribeiro
Someone who likes Ancient History, particularly Greek/Roman mythology.

Sobre o Autor

Mark Cartwright
Mark is a history writer based in Italy. His special interests include pottery, architecture, world mythology and discovering the ideas that all civilizations share in common. He holds an MA in Political Philosophy and is the Publishing Director at AHE.