Ancient History Encyclopedia has a new name!

We are now World History Encyclopedia to better reflect the breadth of our non-profit organization's mission. Learn More

Alfabeto

Definição

Jan van der Crabben
por , traduzido por João Guedes
publicado em 28 Abril 2011
X

Texto original em inglês: Alphabet

Phoenician Alphabet (by Ansgar, Public Domain)
Phoenician Alphabet
by Ansgar (Public Domain)

A história do alfabeto começou no Egito antigo. Por volta de 2700 AEC, a escrita egípcia tinha um conjunto de cerca de 22 hieróglifos para representar sílabas que começam com uma consoante única de seu idioma, além de uma vogal (ou nenhuma vogal) a ser fornecida pelo falante nativo. Esses glifos foram usados como guias de pronúncia para logogramas, para escrever inflexões gramaticais e, posteriormente, para transcrever palavras de empréstimos e nomes estrangeiros.

No entanto, embora aparentemente de natureza alfabética, os unilaterais do Egito original não eram um sistema e nunca foram usados por eles mesmos para codificar a fala egípcia. Na Idade Média do Bronze, um sistema aparentemente "alfabético" conhecido como escrito proto-sinaítico é considerado por alguns desenvolvido no Egito central por volta de 1700 AEC para ou por trabalhadores semíticos, mas apenas um desses primeiros escritos foi decifrado e sua natureza exata permanece aberta à interpretações. Com base nas aparências e nomes das letras, acredita-se que seja baseado em hieróglifos egípcios.

Remover publicidades

Advertisement

Esse escrito acabou se transformando no alfabeto proto-cananeu, que por sua vez foi refinado no alfabeto fenício. Também se desenvolveu no alfabeto da Arábia do Sul, do qual o alfabeto Ge'ez (um abugida) é descendente. Observe que os scritos mencionados acima não são considerados alfabetos adequados, pois todos eles não possuem caracteres representando vogais. Esses alfabetos sem vogais são chamados abjads e ainda existem em scritos como o árabe, hebraico e siríaco.

O fenício foi o primeiro roteiro fonêmico importante. Em contraste com outros dois sistemas de escrita amplamente usados na época, hieróglifos cuneiformes e egípcios, ele continha apenas cerca de duas dúzias de letras distintas, tornando-o uma escrita simples o suficiente para que os comerciantes comuns aprendessem. Outra vantagem do fenício era que ele poderia ser usado para escrever em muitas línguas diferentes, uma vez que registrava as palavras fonemicamente.

Remover publicidades

Advertisement

Ogham Script: Consonants
Ogham Script: Consonants
by Rico38 (CC BY-SA)

A colonização fenícia permitiu que o roteiro se espalhasse pelo Mediterrâneo. Na Grécia, a escrita foi modificada para adicionar as vogais, dando origem ao primeiro alfabeto verdadeiro. Os gregos pegaram letras que não representavam sons que existiam em grego e os mudaram para representar as vogais. Isso marca a criação de um alfabeto "verdadeiro", com vogais e consoantes como símbolos explícitos em uma única escrita. Nos seus primeiros anos, haviam muitas variantes do alfabeto grego, uma situação que fez com que muitos alfabetos diferentes evoluíssem a partir dele.

Remover publicidades

Advertisement

A forma Cumae do alfabeto grego foi transportada por colonos gregos de Euboea para a península italiana, onde deu origem a uma variedade de alfabetos usados para escrever as línguas italianas. Um deles se tornou o alfabeto latino, que se espalhou pela Europa à medida que os romanos expandiam seu império. Mesmo após a queda do Império Romano, o alfabeto sobreviveu em obras intelectuais e religiosas. Ele acabou sendo usado para as línguas descendentes do latim (as línguas românicas) e depois para as outras línguas da Europa.

Remover publicidades

Publicidade

Sobre o Autor

Jan van der Crabben
Jan is the Founder and CEO of Ancient History Encyclopedia, leading the non-profit company to best fulfil its mission to engage people with cultural heritage and to improve history education worldwide. He holds an MA War Studies from King's College.